Baby, bebês, crianças, de mãe para mãe, dicas de mãe, filhos, gestação, Gravidez, papo de mãe

Ter ou não o 2º filho e qual o momento ideal?

Se realmente você decide pelo segundinho nada que qualquer pessoa falar vai te fazer mudar de ideia. Quando a decisão vem do coração você se enche de coragem para enfrentar qualquer que seja o desafio.

Questões como trabalhar mais ou abandonar de vez o emprego, diminuir alguns confortos, trocar de carro, deixar de viajar, plano de saúde, escola, entre mil perguntas que envolvem a decisão passam a ficar em segundo plano, embora sejam realmente muito importantes.

Porém, se você se fez essa pergunta é porque no fundo, lá no fundo mesmo, ainda não esta preparada para ter o segundo bebê e pouco importa qual será a diferença de idade entre eles.

O que eu quero dizer é que quando você decide todo o resto se resolve, mesmo com medo você vai.

Meus medos nunca foram paralisadores, mas confesso que assim que me descobri grávida da minha segunda filha, embora ela tivesse sido altamente planejada, senti um medo enorme de deixar minha primeira filha com ciúmes.

Eu como filha única nunca soube o que era dividir. Sempre tive tudo só pra mim e agora teria que saber como fazer isso com aquela pessoinha que mais amava no mundo e que tinha jurado amor eterno.

Queria um casal e quando descobri que era outra menina, na hora pensei que o reinado da minha princesa acabaria e que ela me culparia por isso, por obriga-la a dividir o reinado dela com outra princesa. Achava que se fosse um menino não precisaria tirar nada da minha filha.

Esse medo sim, me paralisou.

Então como uma avalanche de medos, comecei a achar que não seria capaz de amar outra pessoa e outros medos começaram a tomar conta de mim. Até que minha melhor amiga engravidou da segunda menina, exatamente como eu. Passamos a conversar muito sobre nossos sentimentos e aquelas inseguranças todas que estavam apenas dentro da minha cabeça pude dividir com ela.

Pronto, como em um passe de mágicas, dividir com uma amiga todas as minhas angustias me fizeram enfrentar tudo com mais leveza. É o que pretendo mostrar pra você que pode estar passando por isso ou alguém que você conheça.

Hoje, sou mae de 3 crianças com 2 anos de intervalo entre elas e hoje tenho certeza de uma coisa. A vida de uma criança única é muito solitária e ficamos muito dependentes dos amiguinhos. Na verdade, minha mãe teve 2 filhas únicas.

Nem eu nem minha irmã sabemos o que é realmente ter uma irmã. Hoje estamos super próximas, mas por conta da diferença de idade nunca trocamos muitas experiências na época que mais precisamos.

Tenho convicção que um irmão ou irmã é o melhor presente que eu dei a cada um deles. Quando as vejo brincando juntas, quando as vejo se abraçando e beijando antes de se separarem na entrada da escola e até mesmo quando as vejo brigando penso, como minha vida teria sido tão mais divertida e fácil.

E quanto menos tempo entre os irmãos melhor. Para nós mulheres é muito melhor esperar, tomar folego e recomeçar, mas para eles não. Quanto mais perto, mais apoio e menos distante os interesses.

A vida com companhia é muito mais legal. E até mesmo quando eu não estiver mais por aqui eles é que estarão abraçando uns aos outros nos momentos mais difíceis. Amo ser mãe e por mim teria tido uma meia dúzia.

Abaixo dois vídeos, um com demonstração de amor entre minhas meninas e outro no dia em que minha mais velha conheceu o irmãozinho.

captura-de-tela-2016-12-28-as-22-13-45

Outro vídeo, dessa vez na maternidade:

 

captura-de-tela-2016-12-28-as-22-35-19

 

Comente!