BATISMO, batizado, papo de mãe

Agora eu sou dinda!!! Ser Madrinha e agora?

Preciso dividir aqui com vocês: minha sobrinha nasceu!! Que emoção!!! E eu agora sou madrinha, sou dinda!Fiquei pensando estes dias na responsabilidade maravilhosa DE SER MADRINHA!!! que eu recebi a partir de segunda-feira, um dos dias mais especiais da minha vida, o dia que a Laura nasceu. Minha sobrinha tão esperada…tão amada!!!!
lauravem

(na espera da Laura, eu Helena e a Dadi! A madrinha da Helena!!)

Ser nomeada madrinha de uma criança, um bebê que acabara de chegar ao mundo é uma benção  e um presente para mim, e traz sim muitas responsabilidades. Para mim, que já sou mamãe, nomear a escolha da madrinha da minha filha não foi difícil, já que tenho 2 irmãs. Mas será que é sempre necessário colocar uma irmã como madrinha? Qual realmente o papel que uma “dinda” tem na vida de uma criança? Achei o momento bacana de dividir alguns valores aqui com vocês!
Primeiro optei por dividir aqui sobre a importância do batismo de uma criança para a Igreja Católica.
BATISMO DE CRIANÇAS

(rs achei fofa a imagem e não resisti!)

O Batismo é o sacramento da fé. Porém, a fé que se requer para o batismo não é uma fé madura, mas um começo, que deve desenvolver-se. Em todos os batizados, acredita-se que a fé deve crescer após o batismo. É por isso que a Igreja celebra todo ano, na noite da Vigília Pascal (Sábado Santo), a renovação das promessas batismais.
O batismo de crianças então nada mais é do que uma tradição da Igreja Católica ligada ao desejo dos pais e familiares de que o bebê receba uma bênção e tenham uma iniciação religiosa.
Quais os efeitos do Batismo?
O Batismo perdoa o pecado original, todos os pecados pessoais e as penas devidas ao pecado; faz participar da vida divina trinitária mediante a graça santificante; faz participar do sacerdócio de Cristo e constitui o fundamento da comunhão com todos os cristãos.
O batizado pertence para sempre a Cristo: é marcado, com efeito, com o selo indelével de Cristo (caráter).
Por que Batizar Crianças?
O Batismo das crianças se dá porque tendo eles nascido com o pecado original precisam ser libertados do poder do Maligno e ser transferidos para o reino da liberdade dos filhos de Deus. Para a Igreja Católica, o Código de Direito Canônico (Can 872 a 875) determina que, se possível, seja dado ao batizando um padrinho.
E fica a dúvida maior: Como escolher os padrinhos?
A igreja Católica indica que os padrinhos sejam católicos, pois um dos papéis dos nomeados é acompanhar o crescimento da criança dentro da fé cristã. Mas além, devemos pensar nas responsabilidades que esta nomeação têm.
O papel da madrinha expressa o que eu realmente acredito que é a honra do convite: é assumir a responsabilidade de zelar pela criação e educação destes que lhe foram entregues como “presentes”. Uma madrinha é como uma segunda mãe, um padrinho é como um segundo pai, estes têm a obrigação de oferecer amparo, amor, colo, afeto e segurança à criança. 
A madrinha e o padrinho são os pais que foram escolhidos para cuidar dela(e). Á eles cabem muita responsabilidade. É muito importante que se crie uma ternura, um afeto, que seja uma pessoa que a criança sinta, desde pequena que possa contar. São valores morais e espirituais que devem ser compartilhados, e oferecidos como apoio. Ser madrinha é sim ser uma segunda mãe!!!!
Sabendo desta importância, o que esperar de uma madrinha, de um padrinho?
1. Ser presente
A presença da madrinha e do padrinho é muito importante. Muitas vezes os escolhidos por serem da família não estão presentes no dia a dia da criança, mas a presença pode ser feita a ser sentida mesmo de longe. Receber uma ligação semanal da “dinda” ou do “dindo” é mais que importante. Se morar perto, a cada 15 dias um passeio nem que seja para tomar um sorvete, uma visita em casa já é algo muito especial. Crianças gostam de carinho e atenção. Aos padrinhos, exercer esta função é uma obrigação.
2. Apoiar a mãe e o pai, ser amigo(a)
Acredito que a madrinha também deve ser alguém que a mãe confie. A madrinha escolhida deve ser alguém com que a mãe tenha intimidade, que possa abrir seu coração em relação aos cuidados e educação. Eu particularmente acredito que a escolha da madrinha (e do padrinho também) têm de ser feita com base na confiança, escolher alguém que você confie é muito importante, que você tenha intimidade. Este apoio pode significar muito no futuro. Não acho que a escolha deve ser alguém de sangue ou não. Tipo “só colocar irmãos” ou primos, familiares. Fazemos grandes amizades na vida , e estas também devem ser consideradas se você não possui um bom relacionamento familiar. Não vai ser uma nomeação que vai aproximá-los. É como filho que não segura casamento, quem vai sofrer vai ser a criança.
3. Comprometimento
É preciso que os escolhido( s ) tenham a  informação da importância que têm o cargo que lhe será nomeado. Se você tem dúvidas da escolha, não coloque. É sim necessário um comprometimento, um compromisso de vida com a criança.
4. Presentes de amor
Na sociedade que vivemos este é um item que não se pode ignorar. Um padrinho tem uma responsabilidade sim em presentear a criança em algumas datas especiais. Mas presentes podem ser feitos e dados de diversas formas: um passeio ao zoológico com o afilhado é um super presente, andar no parque de bicicleta com o afilhado também. É nas pequenas coisas, e nos pequenos atos que estão os melhores presentes da vida. Portanto não escolha nunca um padrinho ou uma madrinha pela condição financeira do mesmo, isso é tão pequeno em nossa vida. Presentes que valem mesmo são aqueles dados com amor, e isso pode ser um “big” ou um pequeno carrinho simples…ou uma bonequinha. Se o padrinho ou a madrinha for alguém presente, ele saberá como agradá-la sem precisar de tanto. Isso é o mais importante!!!
4. Amar muito
O padrinho/madrinha vai ser aquela pessoa que os pais vão dividir a “babação” rs. Curtir os momentos com eles, se emocionar faz parte do pacote!!! E é o principal item: amar incondicionalmente!!!

Batizado Helena por Olivian Moioli Fotografia-168

Finalizo com a imagem linda feita pela fotógrafa Olivian Moioli, da minha irmã (que é a madrinha da Helena) e da minha pacotinha no dia de seu batizado. Minha irmã “literalmente” babando na Helena!!!!
E espero que o post chegue a muitos papais e mamães, e que aqueles que recebam o convite tenham a informação de qual a sua responsabilidade em fazer parte dessa nova vida que chega ao mundo.
Beijos da mais nova dinda!!!!
Ana Flavia

Comente!