Baby, maternidade, papo de mãe

Objeto de Transição, eu desconhecia, e você, já ouviu falar?

Há algum tempo, notei uma fofurice no Matteo, ele andava pra todo canto e dormia com meu pijama.

Todo mundo achava fofo! Um dia ele dormindo tirei o pijama que ele estava segurando, logo acordou e começou a chorar, acabei deixando.  Já se passa mais de 1 mês e ele continua com meu pijama, como se fosse uma naninha, é fofo, sim, mas fiquei encanada, queria entender por que o meu pijama.

Objeto de Transição, eu desconhecia, e você, já ouviu falar?

Postei um vídeo e uma amiga que estuda Psicologia me explicou oq significava Matteo e meu pijama. Na realidade não é o meu pijama, podia ser qualquer coisa uma naninha, cobertor, chupeta. Mas foi isso que ele escolheu como “Objeto de transição”. Talvez a gente nunca perceba, do Lorenzo por exemplo, isso não me chamou tanta atenção, pois deve ter sido um objeto dele mesmo que pra mim não faria diferença, então passou batido, mas no caso do Matteo, era o meu pijama.

É muita fofurice né?

Nos primeiros meses de vida o bebê imagina que nós mães e eles, somos a mesma pessoa. Com o tempo, ele vai percebendo que não, que existe individualidade e começa também a notar que a mãe nem sempre está presente e acaba adotando um objeto para essa fase de transição. Isso é o apoio de que precisa, que o faça se sentir seguro, principalmente na hora de dormir.

Este objeto, que nem sempre é um objeto. Pode ser partes do corpo, cabelo (isso explica quando o bebe fica enrolando o cabelo, dela ou da mãe, o tempo todo até dormir) orelha, nariz. Este objeto pode ficar presente por um tempo e até por anos, o que é bem comum na primeira infância e muito importante para o desenvolvimento emocional da criança.

Quem escolhe o objeto é a própria criança. (agora entendi pq eles nunca quiseram as mil naninhas que comprei). Pode ser que ele escolha mais de 1. Não precisamos ficar preocupadas, é saudável para o bebe ter seu objeto, pois diminui a ansiedade quando não estamos por perto. Faz parte da primeira infância além de ser importante no desenvolvimento psíquico, cognitivo, criativo, de imaginação e afeto.

Perdi um pijama, hehehe!!! Mas ganhei uma fofurice que vou lembrar sempre e contar para o Matteo quando ele crescer! E ainda bem que foi um pijama! Me contaram e também tive uma amiga de infância que andava com o sutiã da mãe pra todo canto. omg!!!!!!! Me contem, qual o objeto de transição do filho de vcs?

 

 

O dia todo assim!

 

 

 

 

 

4 Comentários

  1. Lici

    03/07/2017 at 17:43

    Minha filha mais velha Maria Sofia hoje com 6 anos precisava da minha mão para dormir ficava mexendo no meus dedos . A Minha pequena Antonella hoje com 1 aninho tem uma fronha minha que escolheu para ser seu naninha, anda com a fronha pra cá e pra lá… fica esfregando o babado no nariz para dormir.

    1. Daniela

      06/07/2017 at 11:02

      Que fofura, é um carinho né? Eu nunca imaginei que partes do nosso corpo ou deles podia ser esse objeto!

  2. Thaiz carvalho

    04/07/2017 at 07:33

    Dani. Os objetos transacionais compartilham momentos curiosos das crianças. Provavelmente o seu pijama também tem um cheiro característico de mamãe que pode ter colaborado em ter sido o escolhido por ele. Te lo por perto o protege do suposto abandono da separação entre mãe e bebê que se faz necessário . E como se vc deixasse com ele uma parte sua e isso o fizesse mais seguro com a sua saída. Permita me invadir sua história? Já reparou se o objeto tomou mais força após a descoberta da gravidez de sua pequena? Um beijo e boa sorte.

    1. Daniela

      06/07/2017 at 11:07

      Tha! Achei tão interessante isso, faz todo sentido, pois quando tiro o pijama dele ele fica desesperado. E sim, coincidência ou não, depois da gravidez que ele se apegou… Já o Lorenzo não consigo me lembrar qual foi o dele, pode ter sido o próprio cobertor que ele amava, pois tambem eu ficava com ele na cama ate dormir e me cobria com o cobertor! bjaooo

Comente!